Problemas Digestivos e Gatrointestinais

Pessoas com esclerose sistémica podem desenvolver anomalias no sistema digestivo e gastrointestinal, desde a boca até ao ânus. A produção excessiva de colagénio típica da esclerodermia pode causar espessamento e fibrose (ou cicatrizes) nos tecidos. Isto pode resultar de fraqueza muscular e leva a uma anomalia dos movimentos lentos da comida (dismotilidade) no processo digestivo.

--> DISFUNÇÃO NO ESÓFAGO
A comida que ingerimos chega ao estomago a partir da boca e garganta através do esófago. Normalmente o esfíncter inferior do esófago atua como uma porta que abre para permitir que a comida entre no estomago e fecha para impedir que esta volte para o esófago. Em pacientes com esclerose sistémica, este esfíncter não fecha convenientemente o que provoca refluxo de ácido do estomago (azia). O ácido pode danificar o revestimento do esófago, causando cicatrizes e o estreitamento do esófago. A produção de ácido pode ser reduzida, minorando os problemas de refluxo e azia, evitando a ingestão de álcool, gorduras, picantes, chocolate, tabaco e cafeína. Mesmo com estes cuidados, alguns pacientes poderão necessitar de medicação para diminuir a produção de ácido no estomago.
Há muitos medicamentos para este efeito, atualmente os mais utilizados são os inibidores da bomba de protões, onde se incluem o Iansoprazol, o Omeprazol e o Esomeprazol. O antagonista do recetor H2 (Ranitidina) também pode diminuir a produção de ácido. Em pessoas com um refluxo grave poderá ser utilizada a combinação destes dois grupos de medicamentos. Em alguns casos o médico poderá prescrever metoclopramida e domperidona para estimular a atividade muscular do esófago e estomago.
A força da gravidade ajuda a manter a comida e o ácido no estomago; ficar de pé após as refeições poderá ajudar. Para prevenir o refluxo é importante comer pouco e várias vezes ao longo do dia, não ingerir alimentos durante as horas que antecedem a hora de se deitar e, elevar um pouco a cabeceira da cama. O excesso de peso aumenta o refluxo.
Comer devagar e mastigar muito bem é muito importante. Engolir e digerir alimentos torna-se mais fácil se estes forem moles (podem até recorrer ao liquidificador).

--> INTESTINO DELGADO
A fraqueza dos músculos do intestino delgado pode afetar o percurso dos alimentos ao logo do intestino. Uma das consequências poderá ser o aumento das bactérias naturais do intestino, o que leva à ocorrência de diarreia. Também pode ocorrer a sensação de inchaço e alguma dor abdominal. Outra consequência é que em vez de serem absorvidos para o organismo, os nutrientes permanecem no intestino. A este problema chama-se Má-absorção e resulta na perda de peso e anomalias no intestino.
Para a diarreia e má-absorção o seu médico poderá receitar um antibiótico e em alguns casos suplementos vitamínicos e ferro. O seu médico poderá também recomendar a diminuição de alimentos ricos em gorduras e o aumento na ingestão de carbohidratos. Em alguns casos poderá ser benéfico consultar um nutricionista.

--> INTESTINO GROSSO
Músculos fracos ou com cicatrizes podem impedir o intestino grosso de funcionar convenientemente, o que pode resultar em obstipação ou outras anomalias no cólon. Uma dieta rica em fibra e a ingestão de pelo menos seis copos de líquidos (preferencialmente água) ajudará na obstipação. Fruta e vegetais frescos são laxantes naturais. A prática de exercício físico ajuda também a manter a regularidade dos movimentos intestinais. O seu médico poderá também recomendar a utilização de laxantes e agentes de volume tais como a lactulose ou Fybogel.


--> RECTO E ÂNUS
A implicação da última parte do intestino grosso pode provocar incontinência fecal. Esta consequência pode ser mais grave no caso de o paciente sofrer de diarreia. Há medicamentos que por vezes podem ser úteis ajudando a abrandar os movimentos intestinais. Em casos mais graves pode ser necessária intervenção cirúrgica.





Catarina Leite

associ

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now